“Socorro!! As tecnologias invadiram a minha casa…”



Vivemos atualmente numa geração tecnológica. E somos confrontados diariamente com o lado bom e o lado mau da mesma: serão as novas tecnologias más educadoras porque estimulam nas crianças e jovens dependência e comportamentos violentos ou estas permitem desenvolver competências cognitivas complexas, que são aprendidas de forma informal e à parte dos contextos da aprendizagem formal?


Poderá não haver uma resposta concreta para esta dúvida, certo é que 44,8% dos pais já teve discussões com os filhos por causa do tempo que estes passam com as tecnologias. De facto a introdução das tecnologias em casa provoca alterações nas dinâmicas familiares, não havendo muitas vezes uma readaptação à chegada deste “novo membro”, gerando por isso discussões.


Primeiramente torna-se necessário haver uma identificação do período de desenvolvimento do seu filho, percebendo em função da idade e maturidade o peso que a autonomia e proteção devem ter na utilização das tecnologias. Para além disto, a utilização das tecnologias por parte dos seus filhos deve ter as suas regras e limites:

· Discuta as motivações que levam o seu filho a querer utilizar determinada tecnologia e qual a prioridade que a mesma deve assumir;

· Definam em conjunto limites de utilização e horário diário de utilização;

· Quando os limites são acordados não recue na sua decisão;

· Reforce-o quando ele cumpre e definam as punições caso as regras sejam quebradas;

· Fomente o diálogo e momentos de partilha em família sobre os conteúdos visionados;

· Não ceda equipamentos tecnológicos ao seu filho para suportar atividades diárias simples de forma a mantê-los sossegados e calmos;

· Considere as emoções que se vivem nos jogos e as regras que foram estabelecidas para o seu uso. Pode por vezes criar-se exceções à regra quando for confrontada com ocasiões especiais.


Lembre-se também que os problemas podem ser evitados se a própria família adoptar uma visão positiva das tecnologias, tendo estas um contributo importante para o desenvolvimento cognitivo e com possibilidades educativas. Encare a tecnologia como outra atividade familiar e uma nova oportunidade para passar tempo com os seus filhos, disponibilize-se para se envolver em atividades com eles, como por exemplo, jogos estimulantes do ponto vista do desenvolvimento. No entanto, a par com as tecnologias continue a fomentar idas ao parque, convívio social, atividades desportivas, entre outras.

0 visualização