Pressão no trabalho? Aprenda a gerir

Atualizado: Jun 22

Aprender a gerir a correria e a azáfama do dia-a-dia, as refeições, o trânsito, deixar as crianças na escola, atravessar a cidade, chegar ao trabalho, etc, não é tarefa fácil. Sabemos que, por isso, é comum todos nos sentirmos cansados e muitas vezes com necessidade de parar.

Se, por um lado, há um conjunto de coisas sob as quais não temos mão, por outro lado, existem algumas que podemos escolher e mudar a forma como as vemos e lhes reagimos.


Frequentemente, "queixamo-nos" do trabalho, dos horários e da pressão. A verdade é que numa larga escala, algumas dessas queixas relacionam-se com a pressão que pomos em nós próprios e não na pressão que é exercida do exterior.

Dito de outra forma, é comum darmos tanto pelo trabalho que acabamos por estar exaustos, e sentir-nos num ponto sem retorno. Contudo, é possível mudar isso. É possível gerir as nossas rotinas de modo a encontrar uma harmonia que no seja mais vantajosas.



Dicas para gerir e lidar melhor com a pressão no trabalho:


- Seja justo consigo: não se deixe levar pela sua insegurança e exigência interna. Lembre-se que faz o melhor que pode. Devemos seguir o nosso conteúdo funcional, ou seja, fazer o que nos é possível, sem descurar a sua saúde física e mental;


- Cumpra horários: o horário de trabalho existe para ser cumprido. Sabemos que nem sempre é possível mas aproxime-se o mais que puder dele;


- Não utilize o trabalho como "escape" emocional: aprender a gerir as nossas emoções e superar dificuldades é fundamental para que o emprego não assuma o formato de "escape" e fuga das coisas mais difíceis que tem de enfrentar;


- Seja flexível: exatamente porque nem sempre conseguimos entrar/sair à hora exigida, devemos lembrar-nos que os imprevistos acontecem e, por vezes, temos de dedicar mais tempo à atividade laborar;


- Defina objetivos: crie um planeamento realista, adequado ao tempo e dificuldade de cada tarefa;


- Trabalhe as suas crenças: "tenho que fazer tudo", "é para isto que me pagam", "não fiz o suficiente", "se tenho trabalho, só saio quando o terminar". Atenção: estas crenças podem ser úteis, mas levadas ao extremos, comprometem o nosso bem-estar;


- Conheça os seus limites: todos temos limites. Todos precisamos de parar. Seja compassivo consigo e reconheça quando precisa de si, para si;


- Nem tudo é falha: não conseguir atingir determinado objetivo não tem que ser uma falha. Procure entender o que impossibilitou o alcance de uma meta e encontre estratégias para evitar que se repita. Tomamos decisões todos os dias, a todo o momento. A maioria são automáticas. Outras são pensadas. O conhecimento no momento da decisão não é o mesmo do momento do "arrependimento". Foque-se na melhoria constante, não na crítica frequente.


59 visualizações