Pré-adolescente e agora?



De um momento para o outro o seu pequeno não cumpre as regras nem os acordos? Adopta uma postura do contra e tem mania de reclamar? Zanga-se com o irmão e tem a resposta na ponta da língua? Só quer saber de tecnologia? Estes são alguns sinais de que o seu filho já não é mais aquela criança a que estava habituado. Esta transição começa por volta dos 9/10 anos de idade, quando a segunda infância termina e a puberdade se inicia, e se estende até os 14 anos, quando começa a adolescência.


Algumas dicas que devem estar presentes nesta fase:


1. Estar presente


A promoção de autonomia das crianças exige esforço e presença por parte de quem educa, seja nos momentos lúdicos seja noutros de carácter pedagógico.


2. Envolver os miúdos nas tarefas domésticas


Se queremos cooperação nas actividades, estes têm que ser tidos e achados nas mesmas desde cedo, incutindo o hábito e modelando comportamentos. É importante que as tarefas sejam adequadas à idade e seguras, sem exagerar na proteção.


3. Sentir-se tido e achado

Seja nas tarefas acima mencionadas, num desenho que fez, no mostrar as fotografias de quando era pequeno enquanto lhe contam histórias acerca das mesmas ou quando estão no momento do "miminho".


4. Limitar e possibilitar

Os limites são orientadores e geram a previsibilidade essencial para que a criança se sinta segura. Os adultos de referencia não devem ter medo de os colocar, mas devem procurar fazê-lo respeitando a criança e não humilhando. As crianças são pessoas, importa não esquecer!

Dê oportunidades ao SIM (com escolha prévia), para não ter que repetir tantas vezes o NÃO!


5. Criar momentos de intimidade


Um vínculo e uma comunicação eficaz até na idade adulta, conseguem-se com a promoção e vivência da intimidade sobretudo com o núcleo familiar.


79 visualizações