top of page

Ponto de rotura!


Os pais…são pessoas!


Todos temos pontos de rotura, uma linha limite para lá da qual não nos responsabilizamos por quase nada ou por nós mesmos. Este ponto é variável de pessoa para pessoa e de momento para momento. Depende normalmente do carácter, da paciência, do nível de stress, cansaço e se a situação ou problema já se arrasta há muito tempo.


Devíamos ter um alarme pré aviso, que sinaliza-se que está prestes a “verter para fora” após o nosso ponto de ebulição. Se por exemplo um pai estiver habituado a gritar, a zangar de forma dura ou até dar uma palmada, pode começar a ser espetador atento do momento em que por norma costuma partir para esses tipos de comportamentos ou o que é que normalmente os origina.


Alguns pais são do género “panela de pressão”, acumulam, deixam a pressão subir e explodem ser por vezes os filhos estarem à espera, outros deixam desde cedo o aviso de explosão. Pensemos qual o nosso limite, qual o sítio no qual o retrocesso de explosão será possível, minimizando os estragos e estilhaços.


Caso não consiga ir a tempo de chegar aos limites, saibamos que o ideal é primeiro tentar acalmar à medida dos gostos de cada um, como forma de balão de oxigénio e resgate. Gosto de fazer este paralelismo na parentalidade com a analogia do avião. Em caso de despressurização ou acidente, os tripulantes dão nos a instrução/treino de que primeiro colocamos nós (pais) a mascara e só depois a colocamos aos nossos filhos...claramente não se trata de um gesto egoísta ou auto centrado mas, antes sim, de priorizar o que é essencial - a regulação emocional dos pais, para depois poder vir a dos filhos.


Um pai muito zangado ou descontrolado emocionalmente não “educa”. Ninguém com raiva ou com cortisol (hormona do stress) em níveis muito elevados é muito sensato …

69 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page