Perdoar…Mas como?

Atualizado: Nov 12

Ao longo da nossa vida deparamo-nos com situações que nos causam mágoa, raiva e ressentimento. Os sentimentos de ressentimento, quando acumulados ao longo do tempo e alimentados dentro de nós, levam a um desgaste físico e emocional que pode conduzir à depressão, ansiedade, dependências, isolamento, entre outros. De certa forma, é como se nos magoássemos vezes sem conta, deixando-nos controlar pelo comportamento de outra pessoa, por não conseguirmos processar e deixar ir a mágoa inicialmente sentida e muitas vezes provocada por outros. Enganamo-nos ao pensar que enquanto alimentarmos o ressentimento estamos a castigar o outro, quando estamos apenas a causar dano e sofrimento a nós mesmos.

Nestes momentos podemos optar por quebrar este ciclo vicioso e escolher perdoar. Mas como? Saber perdoar, quer os outros, quer a nós mesmos nem sempre é fácil. No entanto, será muitas vezes o único caminho para a aceitação, equilíbrio e saúde física e mental. Tendemos a não nos aperceber de como perdoar é um ato de coragem e de amor próprio. Porquê? Porque confundimos perdoar com aceitar uma ofensa ou injustiça, considerando que estamos a desculpar o erro do outro e a ser complacentes com o mesmo. Ou, porque muitas vezes esperamos um pedido de desculpas por parte de quem errou ou nos magoou.

No entanto, perdoar é antes retomar o controlo sobre os nossos comportamentos, sobre quem somos e como queremos relacionar-nos com os outros. Assim, abrimos a porta ao auto-respeito, ao amor próprio e ao amor no geral. Só desta forma poderemos focar-nos no presente, sem vivermos presos ao passado. Quando perdoar parecer difícil ou soar a fraqueza lembre-se que o perdão é para si e é a sua saúde física e mental que irá beneficiar desse passo.


Aqui ficam alguns passos para aprender a perdoar:

- Identifique a fonte da sua mágoa e expresse o que sente, por exemplo escrevendo.

- Permita-se sentir e expressar os sentimentos de raiva e frustração associados a ressentimentos do passado, escrevendo uma carta sobre os mesmos e destruindo-a posteriormente.

- Esteja consciente acerca de padrões de auto-vitimização e assuma a sua parte da responsabilidade no que aconteceu, para conseguir alterar comportamentos.

- Aceite o que aconteceu, como aconteceu e deixe ir a carga negativa da situação que pertence ao passado.

- Retire uma lição da situação vivida, pois desta aprendizagem desenvolveu recursos para lidar com vivências semelhantes no futuro.


Sabemos que não existe quantidade de culpa ou ressentimento suficientes para mudar o passado. Contudo, muito facilmente caímos na armadilha de ficar presos ao mesmo, na expectativa irrealista de que algo vá mudar. O perdão está na base de uma vida focada no presente e contribuiu para o desenvolvimento pessoal, permitindo-nos desenvolver relações saudáveis e equilibradas. Perdoar-se a si, e aos outros, é ser capaz de viver e apreciar a vida com mais leveza, equilíbrio e amor. Lembre-se que perdoar é um processo e que não tem de o conseguir sozinho/a nem em tempo definido.

O perdão liberta a alma, afasta o medo. É por isso que é uma arma tão poderosa. – Nelson Mandela

Jessica Condeixa

94 visualizações