Nós fazemos os nossos dias...

Atualizado: 28 de Out de 2019

Ainda que nem sempre seja fácil, é importante que percebamos que muitas vezes somos nós que fazemos os nossos dias.

Somos nós que escolhemos aquilo a que prestamos atenção e conotamos como bom/mau.

Frequentemente, ouvimos dizer que "atraimos as coisas boas mas também as coisas más".





A verdade é que, há um conjunto de expetativas que vamos criando e que acabam por influenciar o modo como percecionamos que temos da realidade.

Dito de outra maneira, se acreditarmos que "hoje o dia me vai correr mal", automaticamente ficamos hiperatentos a estímulos negativos tendendo, ainda, a castrofizá-los e fazer deles uma realidade bem pior do que realmente são. À medida que o dia vai passando, vamos reforçando as nossas crenças, acreditando que "tal como previa, o dia ia correr mal". Aumentamos o nosso humor negativo, a frequência, intensidade e duração dos nossos pensamentos automáticos negativos e "infernizamos" um dia, que poderia ser igual a tantos outros.


Dito isto, fica mais claro que se prestarmos atenção a todos os momentos que vivemos, depressa percebemos que eles se dividem em bons e menos bons. Não existe, necessariamente uma sobreposição de uns com os outros. Por isso, está na altura de nos darmos conta: estamos todos no mesmo barco. Dificilmente conseguimos anular o sofrimento ou diminuir a probabilidade de viver momentos maus. Eles existem e existirão sempre. Contudo, não têm que servir para descrever a minha vida nem os meus dias.


Vamos viver momento a momento, para que possamos sentir todos os momentos do mesmo modo. São momentos, são passageiros, não são infinitos.


43 visualizações