10 dicas indispensáveis para ajudar o seu filho a lidar com as emoções!

Uma das mais importantes tarefas da parentalidade é ajudar os filhos a desenvolver competências emocionais. Infelizmente muitos pais não estão conscientes do impacto que as suas palavras e ações têm no momento em que os filhos estão a experienciar emoções intensas. Experimente diariamente as estratégias seguintes e verá como o seu filho conseguirá lidar com as emoções de forma mais saudável, o que será indispensável ao seu bem-estar e resiliência.

1 – Esteja atento e curioso, ajudando a dar nome ao que está a sentir: “pareces estar triste. Queres contar-me o que se passou?”.


2 - Não desvalorize o que o seu filho está a sentir. Mesmo que tenha dificuldade em compreender os motivos pelos quais se sente desconfortável, ou considere que ele está a exagerar.

3 – Não o critique quando exterioriza o que sente. Frases como “ai que drama!”, “se não tivesses feito a asneira, agora não te estavas a sentir assim”, “para de chorar!”, “não tens nada que estar zangado!”, contribuem para que o seu filho se sinta ainda pior e em nada ajudam a aprender a regular o que está a sentir. Pelo contrário, reforçará a ideia de que o que está a sentir é errado e que os pais não o compreendem.


4 – Explique que as emoções fazem parte da experiência humana e são transitórias. Todas as emoções devem ser aceites e vividas em pleno, ou seja podemos e devemos tolerá-las, não as escondendo nem reprimindo.


5 – Adeque as suas expectativas ao grau de desenvolvimento do seu filho. Lá porque já não é um bebé, isso não significa que seja um expert a gerir as próprias emoções e a empatizar com as emoções dos outros. Lembre-se que quer o desenvolvimento cognitivo, quer emocional é um processo de aprendizagem contínuo ao longo de toda a infância e adolescência… e vida adulta também!


6 – Reflitam sobre formas de lidar com as emoções desagradáveis. Por vezes, as pessoas agem por impulso e de forma desajustada, com consequências negativas para si e para os outros. É fulcral que o seu filho compreenda que é legítimo sentir qualquer emoção, porém isso não justifica todo o tipo de comportamentos.


7 – Explorem que pensamentos e interpretações das situações estão a influenciar o que sente. Ajudá-lo a encarar outras perspetivas poderá ajudar a sentir-se de forma diferente.


8 – Explorem formas saudáveis de regular as emoções. Pode sugerir o seu filho a fazer uma lista sobre o que pode fazer: respirar fundo, ouvir música, dar murros numa almofada, desabafar com alguém, desenhar, dar um passeio, etc.


9 – Como pai/mãe seja um modelo. A forma como os pais lidam com as emoções diariamente influencia em grande medida a forma como o se filho irá responder ao que sente. Se costuma gritar ou culpar alguém quando está zangado, se está muito triste, mas não se permite chorar, repare que mensagens está a passar ao seu filho.


10 – Ensine-o a ser compassivo e menos critico com ele próprio. Lidar com as emoções não é tarefa fácil para ninguém! Quando o seu filho sente dificuldades em tolerar determinadas emoções, ajude-o a ser compassivo com ele próprio e com o que sente.

Raquel Carvalho

Psicóloga Clínica



0 visualização