“Mamã, papá… tenho medo…”



Sentir medo é uma resposta emocional que faz parte do desenvolvimento normal e é essencial para a sobrevivência humana. É um alerta de que algo ameaçador pode acontecer e evita que o ser humano corra riscos desnecessários (por exemplo, estar atento aos carros em movimento, desconfiar de pessoas estranhas…).


Também nas crianças, os medos são importantes para o seu desenvolvimento, embora lhes possam causar sofrimento. A ausência de medo, em certas idades, é preocupante.

Os medos variam consoante a idade e a personalidade das crianças, mas há alguns medos “típicos” de determinadas fases do desenvolvimento infantil.


Alguns dos medos principais em cada fase:

De 0 a 6 meses: Barulhos intensos; luzes intensas;

De 7 a 12 meses: Separação dos pais (ou seja, dificuldade no momento de deixar os pais); pessoas estranhas; barulhos intensos;

1-2 anos: Separação dos pais; ambientes e pessoas estranhas;

2-3 anos: Escuro; ficar sozinha; animais;

3-5 anos: Escuro, personagens assustadoras (monstros, fantasmas); animais; “pessoas más” (ex: ladrões);

5-6 anos: Personagens assustadoras; escuro; dormir ou ficar sozinho;

7-9 anos: Medo da morte (da própria morte ou morte dos pais), medo da rejeição social.


Os medos das crianças não têm necessariamente relação com a realidade, mas são uma interpretação que as crianças fazem dela.

Os medos próprios da infância são transitórios e desaparecem por si mesmos. Ainda assim, quando a criança tem medo ou ansiedade precisa de se sentir confortada. Os pais devem desdramatizar a situação, mas respeitando sempre os sentimentos da criança, porque os seus medos são reais e a criança sofre com eles.


Por vezes, na tentativa de disciplinar os filhos, são os próprios pais que lhes incutem medos com afirmações como “o polícia leva-te se não te portas bem”, o que não deve acontecer. A criança deve ser ensinada a cumprir as regras e orientações dos adultos, porque é o melhor para ela, e não por medo.


Se os medos e ansiedades forem inapropriados para a idade (por exemplo, uma criança de 4 anos que chora diariamente para se separar dos pais) ou se tornarem muito intensos e frequentes, não são compatíveis com um desenvolvimento estável e emocionalmente equilibrado. Nestas situações, poderá ser necessária uma intervenção psicológica que possa esclarecer a causa e ajude a criança a ultrapassar o problema.

126 visualizações