Depressão na Adolescência!


Os estudos a cerca da Perturbação de Depressão concluem que a mesma é multifatorial, o que inclui propensão genética e o ambiente no qual a pessoa está inserida. A depressão na adolescência é comum pelo fato de se tratar de uma fase de desenvolvimento na qual os jovens sofrem com exigências e adaptações constantes, tanto com fatores internos (autoestima e autoaceitação), como todos os fatores externos. Trata-se por isso de um terreno fértil para que a depressão possa desbravar. Mas, isso não significa que todos os jovens que estejam a passar por algumas alterações de humor e de comportamento tenham depressão, mesmo quando andam mais isolados ou tristonhos.


Fatores de risco

  • Baixa autoestima

  • Ser do sexo feminino (mais frequente em raparigas)

  • Problemas de relacionamento/sociais

  • Bullying

  • Ter anorexia ou bulimia

  • Ter uma perturbação de aprendizagem

  • Ter doença crónica

  • Consumir álcool e outras substancias

  • Alteração da orientação sexual

  • Ter familiar próximo com depressão, transtorno bipolar ou problemas de alcoolismo

  • Ter um membro da família que se suicidou

  • Ter passado por situações recentes traumáticas (ser vítima de violência, morte de um familiar, divórcio dos pais)

Sinais de Alerta:


Emoções

  • Sentimentos de tristeza e/ou ataques de choro sem motivo aparente

  • Irritabilidade, frustração e raiva

  • Perda de interesse pelas atividades diárias

  • Sentimentos de inutilidade, culpa e de autocrítica

  • Hipersensibilidade a eventuais rejeições ou falhas

  • Dificuldades de concentração, memória e tomada de decisão

  • Crença que o futuro será "negro"

  • Pensamentos frequentes sobre morte, morrer e suicídio

Comportamento

  • Problemas de sono

  • Alterações no apetite

  • Consumo de álcool ou outras substancias

  • Agitação ou inquietação

  • Pensamentos e movimentos letificados

  • Dores de cabeça ou no corpo sem razão aparente

  • Baixa rendimento escolar

  • Aparência física pouco cuidada

  • Comportamentos de risco

  • Automutilação (cortes, queimaduras)

A Avaliação e Intervenção do Psicólogo, Pedopsiquiatra e/ou Pediatra do desenvolvimento podem ser essenciais para ultrapassar esta Perturbação!

26 visualizações