Como nos influenciam os lugares e espaços?



Somos muito influenciados pelos espaços. As nossas emoções ligam-se fortemente com o nosso meio envolvente. Quando falamos em inteligência emocional, temos uma premissa básica, que é o reconhecimento de emoções. Nela, somos incentivados a reconhecer as emoções que as coisas e acontecimentos nos transmitem. Se perguntarmos a alguém o que sente ao pensar num lugar fechado, sem janelas, pequeno e escuro, talvez tenhamos respostas como medo, angústia, ansiedade, solidão, entre outras. Se por seu lado perguntarmos o que sente ao pensar num campo com relva verde, flores, um lago, pássaros a cantar e o sol a brilhar, certamente a resposta emocional será outra. Por isso, a ligação entre os espaços e as emoções é grande e esses mesmos espaços também podem contribuir para a perceção de felicidade


A felicidade é um conceito difícil de definir, é uma perceção subjetiva e individual, onde cada pessoa precisa coisas diferentes para ser feliz. Por isso, na realidade, tudo pode contribuir para a nossa felicidade. Se pensarmos que, é bom para nós regressar a casa ao final do dia e pararmos um pouco para nos sentarmos no nosso sofá, no nosso espaço privado, na nossa zona de conforto, então certamente que há lugares que contribuem para a nossa felicidade.

Contudo, a verdade é não nos sentimos atraídos por qualquer espaço. Tudo depende daquilo que ele no faz sentir, com a energia que nos transmite. Quando um espaço se aproxima daquilo que são as nossas idealizações, se encaixa até em memórias que temos, se enquadra com os nossos padrões de beleza e conforto, então será um local mais atrativo para nós. Tudo se relaciona com a nossa perceção e a nossa perceção é altamente condicionada por vivências, memórias, valores, normas, aprendizagens, etc. Por isso, quando os espaços se coadunam com este nosso repertório, então existirá de certeza “uma química”.


As pessoas são cada vez mais exigentes, buscam o melhor para si, o equilíbrio, a satisfação e realização. E isso passa também pelos sítios que frequentem, os espaços onde se movem, onde vivem, onde trabalham e passam uma parte considerável de horas do dia...Precisamos sentir-nos bem nos sítios onde passamos mais tempo, é uma exigência de que não devemos abdicar. E às vezes não é preciso muito para transformar os espaços em algo que nos transmita essa energia positiva e satisfação.


Estarão os locais onde vivemos preparados para nos transmitirem energias positivas?

Há pessoas que gostam e se sentem bem em cidades cosmopolitas, com muito movimento, onde não se conhece ninguém. Por outro lado, há pessoas que preferem as cidades pequenas, com pouco movimento, mas onde conhecemos bem as pessoas à nossa volta e isso nos permite estabelecer relações de proximidade. Por isso, cada um tem que procurar o sítio onde se sente melhor, há lugar para todos. Todavia, às vezes as grandes cidades podem deixar as pessoas mais isoladas, o que até parece um contra-senso, mas, onde há muita gente e correria, temos pouco tempo para estar com os outros. Estamos sempre muito ocupados.

A ligação à natureza tem por norma a capacidade de nos revitalizar, de nos tranquilizar, de promover momentos em família, brincadeiras...é importante que estes espaços existam e que consigamos usufruir deles.


Adaptado da entrevista dada à revista Vogue

Catarina Lucas


69 visualizações