top of page

Como ajudar alguém simplesmente ouvindo?


Não são escassas as vezes que quando alguém desabafa connosco, a nossa primeira reação é tentar encontrar soluções para os seus problemas. Sentimos que devemos oferecer algo que seja útil, se não porque estaria a desabafar connosco? É natural querermos oferecer ajuda perante o sofrimento que o outro partilha connosco, demonstrar a nossa preocupação e vontade de auxiliar.


Acontece que, muitas vezes, aquela pessoa não precisa exatamente de uma panóplia de soluções quase “chapa 3”, mas sim de “simplesmente” desabafar connosco. O mais provável é que essa pessoa necessite de ser ouvida e compreendida.


Sendo assim, e sabendo que sentimos uma necessidade intrínseca de ajudar quem nos é querido, aqui ficam algumas sugestões de atitudes que podemos empreender quando alguém desabafa connosco, simplesmente ouvindo, e que demonstram a nossa disponibilidade, ajudando a que a pessoa se sinta mais compreendida e apoiada.


- Não temos sempre de oferecer soluções: por vezes, quando alguém fala connosco, apenas necessita de ser ouvido! Assim, quando deparado com uma situação de desabafo, certifique-se que a pessoa se sente ouvida em primeiro lugar, e depois poderá questionar se a pessoa necessita de ajuda a ponderar soluções diferentes ou formas de enfrentar os seus problemas, garantindo que não impõe as suas soluções no outro.


- Validar o sofrimento da pessoa: devemos validar a dificuldade ou o sofrimento pelo qual a pessoa está a passar. Passarmos a noção de que é válido que se sinta em baixo nessa situação, em vez de invalidarmos o facto de estar mal. Frases triviais como “Não estejas assim”, embora certamente bem-intencionadas, apenas frustram a pessoa em questão, sugerindo que não estar mal é fácil e não haverá necessidade do seu sofrimento.


- Fazer questões para compreender: se a pessoa não se importar (aspecto importante a ter em consideração), podemos colocar questões para compreender melhor a sua situação, permitindo também que a pessoa partilhe melhor o que sente.


- Mostrar que estamos verdadeiramente a ouvir: não estarmos distraídos, irmos acenando com a cabeça em jeito de compreensão, e interagir com o que a pessoa nos vai contando. Estas atitudes demonstram o nosso interesse e a nossa disponibilidade para ouvir o outro.


- Partilhar que a sua dor tem legitimidade: por mais que haja problemas gravíssimos no mundo, os nossos problemas são nossos e são sempre válidos. Certificar que a pessoa sabe que a sua dor é legítima, não caindo no pensamento, “Mas há dores piores”, todas as dores são válidas.


- Sermos genuínos na nossa interação: não devemos fingir que compreendemos o que não conseguimos compreender, mas podemos estar lá para a pessoa de qualquer das formas! Um simples “Calculo que deva ser muito difícil para ti estares nessa situação” poderá ser suficiente.



Lara Ferreira

150 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page