top of page

A Sombra: tentamos correr dela, mas ela não está sempre connosco?


O que é certo ou errado? Desde muito novos que aprendemos aquilo que está certo e errado, o que é bom ou mau, o que gostamos e que não gostamos, mas principalmente, o que os outros gostam (aceitam) e não gostam (não aceitam). É logo em pequenos, que maturamos e, por vezes, sofremos castigos ou "raspanetes" quando fazemos algo de errado ou mau.


É neste processo que surge a nossa sombra, ela é criada e nasce, se me permite, ouvi uma comparação, pelo psicólogo Hugo Zagalo, que me parece um exemplo muito visual e explícito do que é a Sombra. A personagem dos filmes “Senhor dos Anéis”, o Sméagol. Durante os filmes ele debate-se entre o bem e o mal, sendo muitas vezes tomado por o desejo incontrolável de obter o anel, de vingança, de ciúme e inveja.


Muitas vezes, a nossa própria Sombra, segundo o psicólogo Carl Gustav Jung, é um lado nosso repleto de desejos reprimidos, traços de personalidade ou sentimentos que não gostamos, principalmente porque percecionamos que o outro não vai gostar ou aceitar.


A questão que intromete constantemente é... E como lidar com estes pensamentos intrusivos, "errados", mas ao mesmo tempo tão irresistíveis? É o não olhar para a Sombra que fará com que ela deixe de nos perseguir? Ignorar? Com certeza apelativo, mas de todo, racionalmente, pouco eficaz.




A Sombra só desaparece, na realidade, quando a iluminamos, quando o sol está totalmente por cima de nós e aí sim, ela deixa de estar atrás de nós ou à frente e passa a estar integrada num todo! Claro, retomando ao exemplo do Sméagol, também não vamos querer acender um alofone na sua direção, ele não ficará com medo e esconder-se-á?


Por vezes, o tornar consciente aos poucos, o compreender que a Sombra existe (sem que isso signifique que temos de ter medo dela), aceitá-la e acolhê-la como uma parte de nós. Quando a compreendemos e aceitamos, permite que ela deixe de ter tanta força (porque não estamos ativamente a tentar evitá-la, e sejamos sinceros, evitar exige uma grande atenção, esforço e reforço) e talvez, isto (o seu conhecimento) seja só parte de um bonito e longo percurso de autoconhecimento e amor próprio!

42 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page